Volkswagen ID.3 e ID.4 serão vendidos no Brasil

0


Um dia após anunciar a preparação lay-off para aplicação na fábrica de Betim, a Fiat anunciou hoje (28) que 1,8 mil funcionários entrarão no programa de suspensão temporária do contrato de trabalho. Motivada pela falta de peças, especialmente semicondutores, a montadora da Stellantis reduzirá o ritmo de produção.

Eles serão afastados por três meses a partir de 4 de outubro. A Fiat já firmou um acordo trabalhista para envolver até 6,5 mil funcionários da montadora em Betim. Contudo, o anúncio de um lay-off tão rapidamente indica que as coisas não estão boas para a empresa na cadeia de fornecimento de componentes.

Às vésperas de lançar seu principal produto desde o Argo, a Fiat terá um período de alto risco para seu empreendimento com o fornecimento irregular de semicondutores. Ainda assim, a Fiat manterá os dois turnos atuais em operação, sendo que o desfalque no quadro funcional ocorrerá no turno da noite.

Não se sabe o quanto a Fiat pretende produzir mensalmente do Pulse, mas modelos programados para o fim de linha em dezembro, poderiam sair de cena mais cedo, garantindo assim oferta de semicondutores para os modelos que seguirão adiante.

Na VW, o Fox adiantou-se ao final do ano e sairá de linha neste mês de outubro. Já na Fiat, comenta-se que os modelos Uno, Grand Siena e Doblò sairão de linha ao fim do ano. Assim, se houver uma antecipação, a Fiat pode passar um pouco melhor o segundo semestre de 2021. Hoje, a empresa faz ainda os modelos Mobi e Argo, em Betim. O Cronos vem da Argentina e a Toro de Pernambuco.

Deixar de produzir alguns modelos não seria uma primazia da Fiat, visto que em outros países e até em algumas montadoras instaladas aqui, carros com maior valor agregado tiveram prioridade na linha de produção, já que compensam mais que modelos de entrada, que possuem margens menores. Vamos ver como se comportam as vendas da marca nos próximos meses.

[Fonte: Automotive Business]

AUTOMOTIVO





Source link