More
    InicioSAÚDEMonócitos: o que são e valores de referência

    Monócitos: o que são e valores de referência


    Os monócitos são um grupo de células do sistema imunológico que tem a função de defender o organismo de corpos estranhos, como vírus e bactérias.

    Os monócitos são produzidos na medula óssea e ficam poucas horas circulantes na circulação, e seguem para outros tecidos, onde sofrem processo de diferenciação, recebendo o nome de macrófago, que tem diferentes nomes de acordo com o tecido em que se encontra: células de Kupffer, no fígado, micróglia, no sistema nervoso, e células de Langerhans na epiderme.

    Os monócitos podem ser contabilizados no leucograma, que é uma das partes do hemograma, que indica a quantidade de células de defesa do organismo, indicando se está dentro dos valores normais, acima ou abaixo.

    Monócitos altos

    O aumento no número de monócitos, também chamado de monocitose, normalmente é indicativo de infecções crônicas, como tuberculose, por exemplo. Além disso, pode haver aumento no número de monócitos devido à colite ulcerativa, infecção por protozoários, doença de Hodgkin, leucemia mielomonocítica, mieloma múltiplo e doenças autoimunes, como lúpus e artrite reumatoide.

    O aumento dos monócitos normalmente não causa sintomas, sendo percebido apenas por meio do exame de sangue, o hemograma. No entanto, podem haver sintomas relacionados à causa da monocitose, devendo ser investigado e tratado de acordo com a recomendação do médico. Entenda o que é o hemograma e para que serve.

    Monócitos baixos

    Quando os valores de monócitos estão baixos, condição chamada de monocitopenia, normalmente significa que o sistema imunológico está enfraquecido, como acontece em casos de infecções no sangue, tratamentos de quimioterapia e problemas na medula óssea, como anemia aplástica e leucemia. Além disso, casos de infecções na pele, uso de corticoides e infecção pelo HPV também podem causar diminuição do número de monócitos.

    É raro o aparecimento de valores próximos a 0 de monócitos no sangue e, quando ocorre, pode significar a presença da Síndrome de monoMAC, que é uma doença genética caracterizada pela ausência de produção de monócitos pela medula óssea, o que pode resultar em infecções, especialmente na pele. Nestes casos, o tratamento é feito com medicamentos para combater a infecção, como antibióticos, podendo ser necessário também fazer um transplante de medula para curar o problema genético.

    Valores de referência

    Os valores de referência podem variar de acordo com o laboratório, mas normalmente corresponde a 2 a 10% do total de leucócitos ou entre 300 e 900 monócitos por mm³ de sangue.

    Em geral, alterações no número dessas células não causam sintomas no paciente, que sente apenas os sintomas da doença que provoca o aumento ou diminuição dos monócitos. Além disso, em alguns casos o paciente também só descobre que existe alguma alteração ao fazer um exame de sangue de rotina.



    Source link

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    NOTÍCIAS EM DIA

    spot_img